Site Overlay

Azul e Gol sobem; Usiminas salta mais de 6% e B3 cai 4%

Depois de encerrar o último pregão em forte queda, o Ibovespa ensaiava recuperação por volta das 14h desta segunda-feira com as ações de Usiminas e Braskem entre as principais altas do indicador.

O dia era positivo para as companhias ligadas as commodities. Os papéis das áreas Azul e Gol, que despencaram na última sexta-feira, negociavam em alta.

Por volta das 14h, os papéis da B3 tinham a maior queda do indicador.

Fora do Ibovespa, a Alliar recuava em meio à confirmação de venda do controle para a gestora de Nelson Tanure. Confira os destaques registrados por volta das 14h:

B3

As ações da B3 (B3SA3) tinham baixa de 3,99%, para R$ 11,30. A queda tem como pano de fundo a notícia de que um grupo de empresas com ações na bolsa brasileira – entre elas, Banco Inter (BIDI11), Locaweb (LWSA3), Americanas (LAME3) e Natura (NTCO3)- se prepara para trocar a B3 por bolsas nos EUA, segundo informações do Estadão Conteúdo.

Usiminas e Braskem

As ações da Usiminas (USIM5) subiam 6,20%, para R$ 13,71, enquanto as da Braskem (BRKM5) avançavam 5,20%, para R$ 52,98, em dia positivo para as companhias ligadas ao setor de commodities.

Petrobras e PetroRio

A Petrobras (PETR4) avançava 2,95%, para R$ 29,31, enquanto a PetroRio (PRIO3) subia 2,73%, para R$ 20,70. As companhias tiveram forte recuo na última sexta-feira em meio a queda do preço do petróleo, que repercutiu o pânico global em relação aos desdobramentos da Ômicron, a nova variante da covid-19. O petróleo Brent, por exemplo, fechou em queda 11,6%, para US$ 72,72 o barril, uma perda semanal de mais de 8%.

Azul

A Azul (AZUL4) subia 1,50%, para R$ 23,65. A companhia confirmou que fez uma oferta para aquisição do grupo chileno de aviação Latam Airlines, que está em recuperação judicial, mas afirmou que desistiu do negócio para se concentrar em suas próprias operações. Além disso, considerou que o valor no plano  apresentado pela Latam é maior  do  que  a acredita ser “razoável”.

Bruno Amorim e João Frizo, analistas do Goldman Sachs, afirmaram em relatório que embora reconheçam que poderiam haver sinergias com a combinação proposta, a nova empresa iria deter 60% ou mais do mercado doméstico brasileiro. Portanto, a transação estaria sujeita a uma extensa análise do Cade, além de riscos de execução. O banco manteve classificação neutra para os papéis da Azul a um preço alvo de R$ 36,40. As ações da Gol (GOLL4) também operavam com valorização de 2,19%, para R$ 15,41, após o tombo da última sexta-feira.

Alliar

A Alliar (AALR3) caia 1,66% para R$ 18,34. terá um novo acionista controlador. A companhia anunciou em fato relevante que seus acionistas controladores aceitaram oferta de aquisição feita pela MAM Asset Management, pelo valor de R$ 20,5 por ação, o que representa  um valor 12% maior em relação à cotação atual do papel na casa dos R$ 18. A gestora pertence ao empresário Nelson Tanure.

O valor que vai ser pago pelo MAM, de acordo com relatório da XP investimentos, se traduz em um múltiplo de preço sobre o lucro, para 2022, de 34,4 vezes, e está bem acima do nível em que Fleury (14,4x) e Pardini (16,1x) negociam.

Rafael Barros e Larissa Pérez, analistas da casa, reiteraram em relatório que como a transação implicará em mudança de controle, o mecanismo de tag-along deve ser acionado e os acionistas minoritários terão a chance de vender pelo mesmo preço.

As notícias são positivas para os detentores, de acordo com a XP, uma vez que espera que a ação seja negociada no patamar de R$ 20,5 até o fechamento do negócio.