Site Overlay

Bolsa fecha em queda e dólar sobe, em dia de entrega da reforma tributária

O Ibovespa, principal índice da B3, fechou em queda nesta sexta-feira (25), enquanto o dólar sobiu, após a entrega da proposta de reforma tributária do governo à Câmara dos Deputados.

O Ibovespa caiu 1,74%, aos 127.256 pontos. Na semana, o índice caiu 0,9%. Veja a cotação do Ibovespa hoje. O dólar subiu 0,7%, comercializado a R$ 4,9377. Mais cedo, a moeda chegou a ficar abaixo de R$ 4,90, batendo a mínima de R$ 4,8937. Na semana, o dólar caiu 2,58% sobre o real.

O governo brasileiro encaminhou nesta sexta à Câmara sua proposta de reforma do Imposto de Renda (IR), prevendo redução da alíquota sobre empresas, aumento do limite de isenção para pessoas físicas e introduzindo tributação sobre dividendos pagos aos investidores, com alíquota de 20%.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu a taxação dos dividendos aos mais ricos, considerando “inadmissível” que bilionários paguem zero nessa rubrica, enquanto assalariados sentem o maior peso dos impostos.

“Não vi nada ali no sentido de simplificação da carga tributária, melhora do ambiente etc. Foi um aumento de impostos, tendo alvos específicos, em especial, os investimentos”, disse Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset, ao InvestNews.

Thomás Gibertoni, analista da Portofino Multi Family Office, disse à Reuters que “o mercado de capital fica menos atrativo quando você acaba com a tributação privilegiada, quando se trata de grandes investidores”.

Ele disse que a mudança nos dividendos “pode levar a uma saída de capitais do mercado” doméstico, mas ressaltou que enxerga a alta do dólar nesta sexta-feira apenas como um “susto inicial” em reação à notícia: “O mercado deve se adequar às mudanças mais à frente.”

“De toda forma o efeito é negativo no curto prazo e a bolsa se ajusta tanto à tributação do dividendo quanto à mudança para a apuração trimestral do imposto, o que, por interpretação, diminui a isenção para ganhos de capital nas vendas abaixo R$ 20 mil mensais – que agora passarão a ser trimestrais”, comentou em nota João Beck, economista e sócio da BRA.

José Falcão, analista da Easynvest by Nubank, aponta que o dia é marcado por “ruídos políticos, com o cenário esquentando para Bolsonaro sobre supostas irregularidades na compra da vacina covaxin”. “Na dúvida, investidores realizam lucros, mesmo com o IPCA-15 ligeiramente abaixo das expectativas”, afirma.

“Além disso, o ministro Paulo Guedes entregou hoje à Câmara a proposta de reforma tributária do governo, mas eu acho que isso tbm já era esperado, não é uma surpresa”, diz Falcão.

Fundos imobiliários

A apresentação da reforma tributária acabou afetando também os fundos imobiliários. O Ifix, (Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários), que reúne os FIIs mais negociados da B3, caiu 2,02%.

“A tributação sobre dividendos sim, pesa no curto prazo, mas o maior impacto hoje talvez seja a previsão de tributação e alteração de algumas regras, como fundos imobiliários, que afeta diretamente a pessoa física. Obviamente, na dúvida e no pânico, as pessoas acabam vendendo”, comenta Jansen Costa, sócio da Fatorial Investimentos.

“Lendo de forma geral, a única proposta que pegou o mercado realmente com o pé trocado e alvo de maior debate foi a tributação dos dividendos dos fundos imobiliários”, concorda João Beck, da BRA.

Bolsas mundiais

Wall Street

O índice S&P 500 encerrou a semana em máxima recorde nesta sexta, impulsionado pelas ações da Nike (NIKE34) e de vários bancos, enquanto dados de inflação mais fracos do que o esperado aliviaram preocupações sobre uma redução repentina no estímulo concedido pelo Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos).

  • O índice Dow Jones subiu 0,69%, a 34.434 pontos
  • O S&P 500 ganhou 0,333061%, a 4.281 pontos
  • O índice de tecnologia Nasdaq recuou 0,06%, a 14.360 pontos

Ásia e Pacífico

As ações da China saltaram nesta sexta, quebrando uma sequência de três perdas semanais consecutivas, impulsionadas pelos ganhos de grandes empresas financeiras.

  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 1,40%, a 29.288 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 1,15%, a 3.607 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 1,63%, a 5.239 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,51%, a 3.302 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,55%, a 17.502 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,06%, a 3.121 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,45%, a 7.308 pontos.

(*Com informações da Reuters)

Veja também: