Site Overlay

Frigoríficos sobem mais de 7%; Alpargatas e Usiminas caem forte

As ações dos frigoríficos estavam entre as principais altas do Ibovespa na manhã desta sexta-feira (19). O Fleury também subia após divulgação dos resultados do terceiro trimestre.

Na outra ponta, os papéis da Alpargatas e Usiminas recuavam na esteira do balanço financeiro entre as principais baixas o pregão.

Petrobras e Vale caíam em meio a divulgação ds números trimestrais. “De forma resumida a Vale frustrou o que o mercado esperava com números fracos por conta da queda do minério de ferro, em paralelo a empresa anunciou recompra de ações. Já a Petrobras superou o consenso de mercado trazendo números fortes, muito por conta do aumento do preço do petróleo nos últimos meses, mas em paralelo também ocorreu um aumento de consumo e por consequência aumento de produção”, explicou Hugo Carone, analista do Nu invest, no morning call dessa manhã.

Confira os destaques registrados por volta das 14h:

Alpargatas

A Alpargatas (ALPA3) ampliou a queda para 8,15%, negociada a R$ 39,67. A fabricante de calçados teve alta de 29 vezes no lucro no terceiro trimestre, para R$ 156,3 milhões, ante o mesmo intervalo do ano passado e uma receita 12,7% maior, para R$ 1,06 bilhão.

Usiminas

A Usiminas (USIM5) tinha perdas de 6%, negociada a R$ 13,47. A siderúgica reportou lucro líquido de R$ 1,82 bilhão no terceiro trimestre, montante quase 10 vezes maior ante os R$ 198 milhões reportados no mesmo período do ano passado. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado disparou 249% no comparativo anual, para R$ 2,89 bilhões de reais. Em relação ao segundo trimestre, porém, os ganhos caíram 43%.

Por outro lado, o BTG Pactual ponderou que o segmento de mineração entregou Ebitda de R$ 685 milhões, 50% menor na variação trimestral e bem abaixo das estimativas o banco, o que foi explicado por preços realizados de minério de ferro mais baixos, chegando a US$ 108 por tonelada, número 20% menor às previsão da casa de invesimentos.

Vale

Vale (VALE3) recuava 1,98%, para a R$ 72,23. A mineradora registrou lucro líquido de US$ 3,886 bilhões no terceiro trimestre de 2021, aumento de 34% em relação ao mesmo período de 2020. A geração de caixa medida pelo Ebitda ajustado cresceu 14% em um ano, para US$ 6,938 bilhões. Quando comparado ao trimestre imediatamente anterior, porém, o indicador mostrou queda de 37%.

Em relatório, os analistas da XP Investimentos afirmaram que a Vale reportou resultados operacionais piores do que o esperado no terceiro trimestre. “O Ebitda ajustado (excluindo despesas com doações de Brumadinho e covid-19) de US$ 7,1 bilhões foi 4% abaixo das nossas estimativas e 18% abaixo do consenso”, explicou o analista Thales Carmo.

O principal destaque negativo foram os preços realizados de minério de ferro abaixo do esperado: US$ 126,7 por tornelada (12% abaixo das estimativas da XP), embora os custos também tenham subido acima do esperado. “Em metais básicos, os preços realizados também decepcionaram, devido a uma greve de trabalhadores que impactou as operações no Canadá”, reiterou o analista da casa.

Petrobras

Os papéis preferenciais da Petrobras (PETR4) tinha perdas de 3,87%, cotados a R$ 27,83. A companhia reverteu o prejuízo de R$ 1,5 bilhão registrado no terceiro trimestre do ano passado, ao registrar lucro líquido R$ 31,14 bilhões no mesmo intervalo deste ano. O resultado, segundo release de resultados da empresa, foi beneficiado por itens não-recorrentes. Excluindo os efeitos não recorrentes, o lucro líquido teria sido de R$ 17,4 bilhões, segundo a empresa. Em relação ao segundo trimestre, os ganhos da petroleira caíram 27,3%.

Em relatório, Regis Cardoso e Marcelo Gumiero, analistas do Credit Suisse afirmaram que a companhia teve mais um trimestre de números sólidos. Os resultados vieram melhores do que o banco de investimento projetava, com Ebitda recorrente de US$ 12,2 bilhões superando as estimativas em 6%. Para a equipe, embora os resultados tenham sido mais uma vez impressionantes, foi o anúncio da antecipação de remuneração aos acionistas em R$ 31,8 bilhões que “roubou a cena”.

JBS

JBS (JBSS3) subia 5,18%, negociada a R$ 39,43. A companhia informou a eleição de dois novos membros ao colegiado, após a renúncia de Wesley Batista Filho e Aguinaldo Ramos Filho. Os dois novos membros, considerados independentes, serão Cledorvino Belini e Francisco Turra. A Minerva (BEEF3) subia 8,03%, para R$ 9,81, e Marfrig (MRFG3) avançava 6,20%, para R$ 26,73.

Fleury

O Grupo Fleury (FLRY3) avançava 3,16%, para R$ 18,92. A empresa registrou uma queda de 28% no lucro líquido durante o terceiro trimestre de 2021, para R$ 95 milhões, ante o mesmo intervalo do ano passado. Segundo relatório de resultados, excluindo os efeitos não recorrentes, principalmente o incidente cibernético (que afetou os sistemas da empresa em junho deste ano) e a restruturação organizacional, o lucro líquido ajustado totalizou R$ 103,5 milhões no período.

O Credit Suisse elevou o preço-alvo das ações da companhia de R$ 23 para R$ 28 ao incorporar dos resultados do terceiro trimestre e projetando os novos negócios que agora estão discriminados no release de resulados da empresa. O novo lucro por ação projetado para 2021 é de R$ 1,09 (de R $ 0,78). A casa manteve classificação neutra para os papéis.

Para a equipe, os sinais de crescimento e lucratividade da companhia parecem encorajadores. No entanto, a pandemia ainda não ficou para trás e ainda existe a possibilidade de alguma demanda reprimida. “Ainda acreditamos que a preparação para o crescimento impõe uma estrutura mais pesada, enquanto os serviços ambulatoriais e diagnósticos complexos diminuem as margens em relação ao negócio de diagnóstico de base. Por outro lado, as otimizações de custo no negócio base (por exemplo, serviços em casa, melhor utilização da área) podem ajudar a empresa a construir uma ponte sobre o ramp up de diversificação”, afirmou a equipe do Credit.