Site Overlay

Ibovespa recua e dólar se aproxima de R$ 5,10, de olho em Fed e cena política

O Ibovespa, principal índice da B3, opera em queda nesta segunda-feira (05). Já o dólar ganha força em relação ao real. O radar dos investidores é dominado pela expectativa da ata da última reunião do Federal Reserve (Fed), o banco central dos Estados Unidos, e os ruídos políticos nacionais.

Por voltas das 13h50, o Ibovespa caía 0,31%, aos 127.228 pontos. Veja a cotação do Ibovespa hoje. O dólar subia 0,29%, comercializado a R$ 5,0682. Na máxima do dia, a moeda chegou a R$ 5,0927.

No Brasil, todos os olhares estavam voltados para Brasília após mais um fim de semana de manifestações por todo o Brasil que pediam impeachment do presidente Jair Bolsonaro.

Os protestos de sábado aconteceram um dia após a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizar abertura de inquérito para investigar suposto crime de prevaricação de Bolsonaro no caso envolvendo as negociações para a compra da Covaxin, vacina indiana contra covid-19.

Segundo Alexandre Netto, head de câmbio da Acqua-Vero Investimentos, embora vários analistas tenham repetido que as chances impeachment de Bolsonaro são baixas no momento, a abertura de inquérito levanta a possibilidade de que o atual presidente não possa se candidatar à presidência da República nas eleições de 2022, caso venha a ser incriminado.

Além disso, Ricardo França, analista da Ágora Investimentos, disse em um morning call que “os investidores estarão atentos ao avanço das discussões sobre a reforma tributária no Congresso” nesta semana, que terá feriado em São Paulo na sexta-feira.

A proposta da segunda fase da reforma tributária apresentada pelo governo no mês passado gerou uma reação negativa do mercado, principalmente devido à intenção de introduzir tributações sobre dividendos pagos aos investidores.

Ainda no cenário interno, o mercado financeiro elevou suas projeções para a taxa Selic em 2022. Para o ano que vem, a expectativa é que a taxa básica de juros fique em 6,75%. É o que mostrou o Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central.

Cenário externo

Na visão do economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Rosa, as discussões relativas à redução dos estímulos na economia norte-americana continuarão no radar, com a pauta nos próximos pregões incluindo a ata da reunião do Fed de junho.

No mês passado, o BC dos EUA antecipou para 2023 suas projeções para o primeiro aumento de juros pós-pandemia e abriu a discussão sobre quando pode ser apropriado começar a reduzir suas compras mensais de ativos.

“A melhora do emprego mostrada pela payroll de junho e a continuidade das pressões inflacionárias reforçam as preocupações sobre o momento em que o Fed começará a reduzir a acomodação monetária”, avaliou Rosa.

Destaques da bolsa

As ações de Itaú (ITUB4 e ITUB3) e Bradesco (BBDC4 e BBDC3) caíam, tendo ainda de pano de fundo preocupações com os efeitos das medidas propostas na segunda fase da reforma tributária.

Vale (VALE3) mesmo com o salto dos preços dos contratos futuros do minério de ferro na China, enquanto ações de siderúrgicas tinham desempenho mais forte, com CSN (CSA3) em alta.

BR Malls (BRLM3) valorizava-se, em sessão de recuperação, após queda relevante desde o anúncio das mudanças tributárias no mês passado, que pesaram no setor. Muliplan (MULT3) e Iguatemi (IGTA3) subiam.

Bolsas Mundiais

Wall Street

As bolsas dos Estados Unidos estão fechadas nesta segunda em razão do feriado da Independência.

Europa

A atividade empresarial promissora na zona do euro fez as ações europeias reverterem perdas anteriores nesta segunda-feira, deixando-as apenas cerca de 0,5% abaixo de picos históricos.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,58%, a 7.164,91 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,08%, a 15.661,97 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,22%, a 6.567,54 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,63%, a 25.441,34 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,44%, a 8.946,40 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 0,32%, a 5.163,24 pontos.

Ásia e Pacífico

Os principais índices da China registraram ganhos nesta segunda-feira, ajudados pela força robusta das empresas do STAR, de Xangai, com foco em tecnologia, já que Pequim prometeu apoio contínuo para seu setor de tecnologia.

  • Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,64%, a 28.598 pontos.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,59%, a 28.143 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,44%, a 3.534 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 0,09%, a 5.085 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,35%, a 3.293 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 1,18%, a 17.919 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,39%, a 3.141 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,09%, a 7.315 pontos.

(*Com informações de Reuters)

Veja também

  • Entre altas e baixas: os BDRs e ações que se destacaram no semestre
  • Renda passiva: o que é e dicas para ganhar dinheiro investindo
  • Mercado passa a ver Selic em 6,75% em 2022; o que será do rumo da taxa de juros?
  • BNDES e fundo internacional lançam projeto de R$ 1 bi para Semiárido
  • Havan perde fôlego a caminho da bolsa
  • Gil do Vigor discute princípios da economia em quadro ‘O Brasil tá lascado’
  • ‘Super-ricos’ vão bancar maior parte da arrecadação com taxação de dividendos
  • Quero formar uma reserva para a faculdade do meu filho. Como investir?