Site Overlay

PetroRio dispara 19%; Magalu sobe 8%; Gerdau, Vale e Usiminas caem

As ações da PetroRio e da varejista Magazine Luiza disparavam entre as principais altas do Ibovespa na tarde desta sexta-feira (05).

Na outra ponta, os papéis de Gerdau, Usiminas e da mineradora Vale performavam entre as principais quedas.

Eneva, Bradesco e JHSF operavam em alta, após reportarem resultados do terceiro trimestre. Confira os destaques registrados por volta das 14h30:

PetroRio

PetroRio (PRIO3), que fechou com recuo de 1,72% no pregão da véspera, subia 19,11%, negociada a R$ 27,87, entre as principais altas do Ibovespa. A petroleira informou que os consórcios em que participa foram escolhidos para começar as negociações exclusivas dos termos finais dos Sales and Purchase Agreements e outros documentos da transação no processo de desinvestimento dos campos de Albacora e Albacora Leste conduzido pela Petrobras.

Magazine Luiza

A varejista Magazine Luiza (MGLU3) subia 10,83%, para R$ 12,27, em dia positivo para as companhias do mercado doméstico.

Vale

A mineradora Vale (VALE3) acumula queda pelo terceiro pregão consecutivo ao cair 2,92%, para R$ 64,15. A mineradora anunciou a venda de todas suas ações ordinárias da The Mosaic Company na bolsa de Nova York. O valor líquido antes de despesas proveniente da venda das 34.176.574 ações da Mosaic, realizada através de oferta secundária, será de aproximadamente US$ 1,26 bilhão. Em comunicador, a companhia informou que liquidação da operação é esperada para 9 de novembro de 2021, sujeita aos procedimentos usuais de fechamento.    

Petrobras

Em dia negativo para as companhias de commodities, as ações preferenciais de Petrobras (PETR4) também caíam 0,58%, para R$ 25,86.

Siderúrgicas

Entre as siderúrgicas, a Gerdau (GGBR4) estava entre as principais baixas do Ibovespa ao registrar queda de 3,64%, para R$ 24,60. A CSN (CSNA3) caía 1,03%, para R$ 21,11, enquanto a Usiminas (USIM5) perdia 3,41%, para R$ 11,88.

Eneva

A empresa de energia Eneva (ENEV3) avançava 3,36%, para R$ 15,38 na esteira dos resultados trimestrais. O lucro líquido da empresa atingiu R$ 362,6 milhões, alta de 553% ante o mesmo período do ano passado. Já o indicador de geração de caixa (Ebitda ajustado) quase dobrou para R$ 573 milhões no terceiro trimestre.

Bradesco

Bradesco (BBDC3) tinha alta de 5,04%, para R$ 20. O lucro recorrente, que exclui itens extraordinários, cresceu 34,5% sobre um ano antes, para R$ 6,767 bilhões, acima da estimativa média de R$ 6,469 bilhões compilada pela Refinitiv.

O Bradesco previu que sua carteira de crédito crescerá entre 14,5% e 16,5% neste ano, ante projeção anterior de 9% a 13%. As receitas de tarifas devem crescer de 2% a 6%, disse o banco, ante projeção anterior de alta de 1% a 5%.

Na visão de Marcelo Telles, Daniel Vaz e Bruna Amorim, analistas do Credit Suisse, os resultados do banco são “ligeiramente” positivos para as ações, considerando que o lucro por ação (EPS, na sigla em inglês) ficou 6% acima do previsto pelo banco, “apesar da contribuição muito menor do mercado de lucro líquido com juros (NII), principalmente impulsionada por um resultado de seguro melhor do que o esperado (melhor desempenho operacional e financeiro, este último auxiliado por dinâmica favorável do IPCA / IGPM) e provisões abaixo do esperado”, explicou a equipe do banco de investimento.

Embraer

A fabricante de aeronaves Embraer (EMBR3) tinha ganhos de 4,88%, para R$ 22,77. A companhia registrou um prejuízo líquido de R$ 234,2 milhões no terceiro trimestre, reduzindo perdas em relação ao mesmo período do ano passado, quando o indicador foi negativo em R$ 797,5 milhões. No critério ajustado, as perdas foram de R$ 179,7 milhões no período.

Noah Poponak, Gavin Parsons e Anthony Valentini, analista do Goldman Sachs, reiteraram em relatório que a compahia elevou a previsão de fluxo de caixa para 2021, à medida que continua a melhorar sua cadência. A receita, por sua vez, ficou abaixo do consenso no terceiro trimestre, enquanto o Ebitda, as margens e fluxo de caixa livre ficaram acima. A equipe também ponderou que as reservas de novos pedidos foram fortes no trimestre.

JHSF

A empresa de imóveis de alto padrão JHSF (JHSF3) subia 2,24%, para R$ 5,48. A companhia anunciou lucro líquido de R$ 213,8 milhões no terceiro trimestre, alta de 23,1% ante o mesmo período do ano passado. A receita líquida da JHSF somou R$ 476,3 milhões no trimestre, avanço de 35% no comparativo anual.

Em relatório, Renan Manda e Ygor Altero, analistas da XP Investimentos, avaliram que a companhia apresentou resultados melhores do que o esperado, superando as estimativas de ponta a ponta. A equipe reiterou que o desempenho foi explicado pelo forte reconhecimento de receita no segmento de desenvolvimento, impulsionado pelo sólido desempenho de vendas de R$ 1,2 bilhão nos noves meses de 2021, um aumento de 46% no comparativo anual. “Além disso, o segmento de shoppings apresentou desempenho operacional robusto, com vendas de locatários e aluguel superando os números de 2019. Assim, esperamos uma reação positiva do mercado e reiteramos nosso rating de compra para a ação com preço-alvo de R$ 9,70”, afirmou a dupla.

*(Com agências)

Veja também