Site Overlay

Por que a queda no desemprego de negros nos EUA pode não ser boa notícia

Deveria ser um número para comemorar: a taxa de desemprego entre cidadãos negros nos Estados Unidos caiu um ponto percentual, para 8,2% em julho, a maior queda entre qualquer grande grupo racial ou demográfico. Mas um olhar mais atento revela uma realidade angustiante.

Quase 250 mil afro-americanos deixaram a força de trabalho e o número total de empregados teve queda de 12 mil, uma medida que cresceu solidamente para brancos, hispânicos e asiáticos. Os dados foram divulgados no relatório de empregos do Payroll nesta sexta-feira (6).

Os números indicam que a queda na taxa de desemprego entre negros foi impulsionada não pela presença de mais pessoas à procura de emprego, mas por um salto no número de pessoas desistindo da busca por trabalho.

Procura por trabalho

A proporção de cidadãos negros que trabalham ou procuram trabalho, conhecida como taxa de participação na força de trabalho, também caiu 0,8 ponto no mês passado, para 60,8%. Isso foi uma reversão do ganho de junho, quando a taxa de participação na força de trabalho dos trabalhadores negros aumentou e ultrapassou a dos trabalhadores brancos pela segunda vez na história.

Os trabalhadores brancos mais uma vez levam vantagem, com uma taxa de participação na força de trabalho de 61,6%.

Os números de emprego variam de mês para mês, e economistas dizem que é importante focar nas tendências de longo prazo. Mas, olhando para a pandemia de coronavírus, os trabalhadores negros têm mais terreno a recuperar para que haja um retorno aos níveis de emprego anteriores à Covid-19 do que os brancos.

A taxa de desemprego das mulheres negras, de 7,6%, ainda está 2,7 pontos acima do patamar de fevereiro de 2020. A taxa de desemprego de 8,4% dos homens negros está 2,4 pontos acima dos níveis pré-crise.

As mulheres brancas, com uma taxa de desemprego de 4,5%, estão apenas 1,7 ponto acima dos níveis pré-pandemia, enquanto a taxa de desemprego de 4,9% dos homens brancos está 2,1 pontos mais alta do que seu patamar pré-crise.

Veja também

  • Com Selic a 5,25% ao ano, dá pra ‘surfar’ com a marcação a mercado?
  • 7 taxas que o investidor precisa conhecer antes de investir
  • Bolsa Família e precatórios preocupam mercado; entenda o tema em 7 pontos
  • Copom mais rígido X Ibovespa em queda; o que faltou?
  • Teto de gastos sofrerá golpe com PEC dos precatórios, diz IFI
  • Deserdado, filho de Joseph Safra quer contestar herança na justiça, diz agência
  • Investidores buscaram por segurança na semana passada, diz BofA